Spotlight: Blue October

Estou em um momento extremamente musical. Saí do marasmo e da mesmice que me encontrava, sem vontade de escutar nada, para um momento que não consigo ficar sem escutar algumas bandas.

Uma dessas eu preciso postar aqui, pq eu simplesmente não paro de ouvir. Blue October é uma banda norte-americana que já tem um bom tempo de carreira, começou a crescer após a música Calling You e estourou mesmo mundialmente com o CD Foiled, por causa da música Hate Me e Into the Ocean.

Eu gosto muito tanto do estilo da música, um rock pós-grunge meio alternativo. Gosto do ritmo da bateria do Jeremy Furstenfeld, e da guitarra melódica e ao mesmo tempo nervosa do C.B. Hudson e do balanço do baixo do Matt Noveskey.  Amo o “tchan” que eles dão às músicas com o violino do Ryan Delahoussaye, e me emociono demais com da voz do Justin Furstenfeld. Ele canta com uma emoção tão grande que não tem como a música não te tocar de alguma maneira.

Não consigo ter uma música só favorita. Deixo a dica para quem quiser conhecer, procurem no You Tube as músicas Calling You, Into the Ocean, Hate Me, Sound of Pulling Heaven Down, My Never, Amnesia e Dirt Room. Fica aqui o vídeo de Calling You, uma das minhas favoritas 🙂

Anúncios

Spotlight: We Are Smug

Faz um bom tempo que não escrevo aqui, por N motivos (o principal é a falta de tempo por conta do trabalho/estudos), e não era inclusive para eu estar por aqui, mas hoje resolvi dar um descanso para a minha mente e ficar de bobeira agora de noite, vendo os sites que eu preciso ver (como a Rede Projeto Ramo de Prata e o Meia Palavra), então antes de começar a me atualizar resolvi dar uma passadinha aqui para falar sobre meu novo vício: We Are Smug.

We Are Smug é um projeto “banda” feita pelo Darren Hayes (meu cantor favorito ever) e Robert Conley. O Daz divide os vocais com o Robert, mas faz o backing vocal em todas. O barato do álbum é que ele é de graça! SIM, de graça!!! É possível fazer o download em Wearesmug.com . As músicas são de um pop eletrônico com batidas um tanto pesadas, e as letras são um bocado ácidas e até de conteúdo que eles consideram não aconselhável para menores (tem inclusive um pequeno aviso no site sobre isso) – o que para mim só torna o álbum melhor 🙂 . Diz o Darren que eles fizeram as músicas como queriam e que o fizeram de graça pq podiam.

Não é para o gosto de qualquer um, como todos os trabalhos do Darren, mas é um trabalho de altíssima qualidade ao meu ver, eu adorei todas as músicas sem exceção, apesar de ter minhas preferidas (Hot Tub Blues, Good Dress, Shit on the radio, Tear ir Up e Fire Up.). Fica ai embaixo uma das minhas favoritas para quem não conhece poder ter sua opinião.

Spotlight: Jay Vaquer

Eu acho que nunca comentei de música por aqui. Então estava mais do que na hora!

 

Se tem um cantor que eu amo é  o Jay Vaquer. A música dele, considerada tanto adulta quanto rock alternativo, é gostosa de escutar, sua voz é firme e ao mesmo tempo doce. é músico de mão cheia mas o que me pega mais são as letras. Está para aparecer um cara que tenha uma inteligência como essa! Suas músicas muitas vezes são críticas ácidas mas bem colocadas. Para quem não conhece, dá uma olhadinha no You Tube e veja algum vídeo. Vale a pena.

Para ilustrar (e finalizar a dica) deixo uma das letras favoritas:

 

Mondo Muderno (de mierda)

                                   Jay Vaquer

Tudo que faço é pra mim
Até a bondade que ofereço
Fui evoluindo assim
Pra conseguir o que mereço

Questão de sobrevivência
Quem falou em decência ?
Passo por cima pra ninguém me atropelar
O que é que há?sai pra lá!
O seu vem depois, muito natural
Depois, se sobrar tempo,meu caro
Vou ser a pessoa mais legal
Se restar alguma migalha, fui claro?

Depois, se sobrar espaço
Ninguém é de ferro
Ninguém é de aço
E é no berro que faço
O diacho pra garantir o meu
Compreendeu?
Com certeza
A seleção natural é da natureza
Então por gentileza
Vê se não cansa a beleza
E responda a seguinte questão :

Você é diferente?
Não é assim?
A gente logo sente
Quem é ruim
Você, madre teresa
Uma bondade só
Vai ensinar ao mundo
Um amor maior
No mondo muderno
No mondo muderno

2009 – Um novo ano. Muda muita coisa?

Não sei. Espero que se mudar, que seja pra melhor, ao contrário do ano passado.

Esse ano, de qualquer maneira, terei muitos livros para comprar, mais do que eu tinha ano passado. Tb terei mais séries para ver. Já estou bitolada em uma nova – True Blood 😛 Mais uma para a coleção (ou melhor, essa entra no lugar da Beverly Hills 90201 que eu achei simplesmente péssima e que tem de tudo para ser cancelada (e pelo visto vai, só não confirmei a informação).

Mais novidades tb chegam do mundo virtual, através da minha mais nova noia: Meia Palavra. É um fórum sobre literatura e línguas, fantástico, que é basicamente novo (só um ano de vida) e já está repleto de informações para quem, assim como eu, é um book addicted. Totalmente indicado.

E por enquanto é isso. Sem muitas esperanças para 2009 porque não quero dar com os burros n’água de novo, mas torcendo sempre e sempre com pensamento positivo de que esse ano será muito melhor para todos que eu amo, inclusive euzinha 😛

Séries

Viciadas em série como sou, teria que ter vários posts falando sobre o assunto, indicando séries e fazendo reviews. Hoje resolvi indicar uma das que mais gosto, One Tree Hill.

 

One Tree Hill é uma série que começa contando a história de cinco adolescentes, dois deles irmãos por parte de pai que se odeiam, um o atleta campeão do time da escola, e o outro que acabou de entrar no time. A série vai evoluindo equanto os personagens são obrigados a enfrentar os problemas que a vida reserva. A série falando assim parece ser boba, mas não é, é envolvente e dá para se ver refletido em vários momentos, em personagens diferentes. Atualmente está na sexta temporada que conta sobre a vida depois da faculdade, quando eles voltam a Tree Hill e recomeçam as suas vidas, depois de terem se separado por causa das faculdades e outras conquistas.

Quem quiser acompanhar, podem baixar por ai logo após passar no CW – Segunda às 21h (EUA). Aqui no Brasil, passa no SBT – indefinido pelo visto, e na FOX – Quarta às 21h. Vale a pena assistir, é muito legal.

Aniversário

Dia 20 foi meu aniversário, e foi uma data importante e muito feliz (apesar de cansativa). Fui pra SP para passar o dia com a minha família e consegui ver meus amigos mais queridos. Comprei coisas que precisava e ganhei coisas que queria e amei. Não houve balada nem bebedeira, como era de costume para mim, ao contrário foi um aniversário bem calmo, e mesmo assim foi um dos mais felizes que já tive.

To ficando velha. 30 anos para mim é muita coisa, ainda mais pq minha cabeça ainda não funciona nessa idade. Vai demorar um pouco para eu acostumar com essa idade, alias eu acho que nunca vou acostumar aeuhuehaue mas não tem problema, não é como se eu quisesse crescer também 🙂

Twilight Saga

Me manti longe deste meu cantinho ultimamente por um bom motivo. Eu mergulhei em uma das sagas mais apaixonantes que eu li nos últimos anos, comecei a ler e simplesmente não conseguia parar.

Alguém deve imaginar que eu sou mais uma envolvida com a “febre” Twilight. Até posso ser. Mas os livros são bons. E falam de dois dos meus assuntos favoritos: amor e vampiros 🙂 

Twilight

Tudo começou quando minha amiga Ju falou que estava lendo o Crepúsculo, e que tava apaixonada pelo livro. Eu fiquei com vontade de ler, afinal tinha vampiro e poxa, esse assunto mais do q me interessa. Fui comprar, mas como estava meio que sem dinheiro na época, eu passava pela Saraiva e só namorava aquele exemplar em inglês que eu queria tanto. Fiz questão de comprar em inglês mesmo, porque queria ler no original (estou fazendo isso com vários livros). Depois de uns dois meses comprei só o Twilight, mas não li de cara porque como estava lendo um livro sobre mitologia celta, queria terminar este primeiro. Mas eis que depois de acho que umas duas semanas eu cansei e resolvi ler o livro, a curiosidade mais do que aguçada.

Foi amor a primeira vista. Eu praticamente comi o livro. Comecei em uma quarta, e na sexta eu já havia terminado, e olha que não tive o dia inteiro para ler. No sabado de manhã eu fiquei doida, e tive que correr na Saraiva para comprar os outros livros, porque pensei eu que não poderia deixar essa oportunidade escapar. Na Saraiva aqui perto de casa só tinha o New Moon. Não achei problema, porque pelo menos era a sequência. Mas acontece que eu li tão rápido, simplesmente não conseguia parar, e no domingo de tarde já havia terminado de e não tinha mais nenhum por aqui para eu comprar. Comecei então o Midnight Sun, rascunho do quinto livro da Stephenie que é possível de encontrar online na própria página oficial da escritora (http://www.stepheniemeyer.com) , para me distrair até conseguir os outros livros.

Segunda de manhã começou minha peregrinação para encontrar o Eclipse e o Breaking Down. Encontrei o Breaking Down na Saraiva perto do meu trabalho, mas o Eclipse – esgotado –  tive que encomendar. Acabou que eu tive uma sorte enorme pois no decorrer do dia eles acharam um exemplar perdido na loja e guardaram para mim. A partir daí, tudo o que fiz foi ler e ler e ler. Até encontrei a Cyn e tive coisas que não pude deixar de fazer no decorrer da semana, mas quando eu parava, voltava para o livro, não conseguia parar. Comecei o Breaking Down na sexta de noitão, tipo meia hora antes de eu dormir, e finalmente terminei no domingo de tarde. Bati o meu recorde de leitura, até porque além de ter sido o livro que eu li mais rápido (mais de 700 páginas na versão inglesa), foi o mais rápido em inglês até mais do que os que já li em português.

E depois que eu terminei, sobrou a depressão pós-Twilight. Aquela sensação de vazio, como se um turbilhão de sentimentos intensos estivessem invadindo meu peito com a força de um furacão e depois eles desaparecessem, e só sobrasse aquele vazio, o resto, o desejo de viver algo tão intenso de verdade, os destroços deixados por tanta paixão, a tristeza de saber que não era real. E que pior, acabou.

E aqui estou eu, desolada por ter acabado esse mundinho no qual eu me escondi por tão pouco tempo mas que mexeu muito comigo. Mas feliz porque finalmente um livro (ou melhor, saga né) chamou tanto minha atenção, como há tempos não acontecia. E acho que ela chamou justamente por causa dessa história de amor que vai além da paixão, vai além de tudo, que é algo que acredito que toda mulher deseja sentir, deseja passar… 

Para finalizar esse post antes que eu acabe lendo os livros novamente (tá faltando pouco para eu fazer isso :P), cheguei a pensar em escrever aqui tipo um resumo dos livros, mas acredito que a maioria conheça já, com essa febre toda. Então deixo aqui a minha própria saga com eles, e o quanto Twilight me marcou. 🙂

Mama mia, Pizza!!!

Esse sábado eu me superei… eu fiz algo que sempre tive vontade de fazer, pizza totalmente sozinha: desde a massa até o molho. Peguei a receita de pizza deste Blog (ele é realmente muito bom!) e mandei a receita para a minha mãe avaliar, já que ela não estava com a dela em mãos e não sabia de cor. Depois de aprovada, me preparei pra fazer tudinho, e no sábado meti a mão na massa. Primeiro, adorei fazer a bendita, pq ela não tomou muito do meu tempo, foi fácil e eu adoro fazer massas de qquer maneira. Segundo, adorei fazer a pizza de um modo geral.

Bom, massa crescida, aberta e tudo mais, eu montei as bichinhas com o molho que dizia na receita tb, a diferença foi que usei o liquidificador ao invés de ralar os tomates como diz na receita. Montei duas pizzas portuguesas como a receita na minha terra diz, da maneira que aprendi em casa tb (aqui no Rio chamam de portuguesa Paulista). A massa dá pra duas pizzas, mas sobra. Eu não deixei sobrar e no final uma ficou mais grossa do que a outra, mas ambas ficaram ótimas.

Bonitas, cheirosas, só faltava saber se estavam gostosas, e HUUUUMMMMMM pedi pra soltar os cachorros!!! Ficou deliciosa! A única coisa que eu achei que poderia ter ficado melhor foi o molho, que por ser cru ficou com gosto forte demais. Mas de resto, vou te dizer, foi uma pizza e tanto!!! A massa ficou exatamente do jeito que eu queria, parecida com massa de pizzaria mesmo! MUITO BOM!
Receita aprovada, se quiserem fazer, vale a pena 🙂

Bunda pelada

É como a Ariadne está sendo chamada nos últimos dias. Coitadinha dela 😛 Mas é irresistível não chamá-la assim. 🙂
Ontem ela tirou os pontos, o corte ficou um pouco aberto mas nada para se preocupar. Ela está bem e firme. E mais carinhosa do que nunca.
E os dois aqui, ela e o Arutemisu, estão jogados por causa do calor. O Rio não sabe brincar com esse negócio de calor, viu =/ MUITO quente!!!!!!

Panqueca de buttermilk

Eu estou namorando esse Blog há um bom tempo, essa receita chamou minha atenção, e eu fiquei morrendo de vontade de fazer essas panquecas, e hoje eu fiz.

Descobri que virá-las não é tão fácil quanto eu imaginava, mas elas ficaram tão gostosas quanto eu esperava. 

Tá, a aparência também não tá das mais bonitas, mas ficou realmente gostoso. Se quiserem a receita, é só entrar nesse blog . Depois me contem se ficou bom. 🙂

« Older entries